Liberdade para Paing Phyo Min, o jovem poeta do Myanmar - Amnistia Internacional Portugal

Liberdade para Paing Phyo Min, o jovem poeta do Myanmar

Paing Phyo Min está a cumprir uma pena de seis anos após uma atuação satírica onde criticou os militares do Myanmar, através de poemas. Por ter simplesmente exercido o seu direito à liberdade de expressão, foi injustamente condenado. Junte-se a nós e assine o apelo em defesa do jovem Paing Phyo Min. Queremos a sua libertação imediata.

 

Paing Phyo Min dedica todo o seu tempo livre às artes. Este estudante de 22 anos é presidente da Associação de Estudantes, adora cantar, tocar guitarra, é fã da cantora Taylor Swift e membro do Peacock Generation, um grupo de poesia satírica dedicado a Thangyat – uma forma de arte tradicional no Myanmar que combina música, poesia e comédia para comentar assuntos sociais do país, e que chegou a estar proibida pelos militares entre 1998 e 2013.

Tudo mudou quando, em abril de 2019, Paing Phyo Min e outros elementos do Peacock Generation foram detidos após uma das suas atuações de Thangyat, onde se vestiram de militares. Durante a atuação, riram-se dos militares, do facto de eles não tolerarem quaisquer críticas, insinuaram que estavam desesperados por se manterem no poder e que estavam a levar o país à falência, enquanto os seus generais enriqueciam.

Paing Phyo Min foi considerado culpado e condenado a seis anos de prisão. As acusações contra ele incluíram “incitamento”, ou seja, encorajar militares a abandonarem as suas obrigações, e “difamação online” por ter partilhado fotografias e vídeos da atuação online.

Temos feito Thangyat todos os anos desde 2013. Temos comunicado diretamente com o público, expressando… o que está de errado na nossa sociedade… incluindo críticas ao governo. Mas em 2019 tornamo-nos um alvo para os militares. Eles estão a prejudicar a transição democrática de Myanmar. Podemos estar presos, mas não vamos ser impedidos de dizer o que pensamos.

Paing Phyo Min

Estamos juntos com Paing Phyo Min. Chegou o momento de ser libertado.

Assine o apelo dirigido à conselheira de Estado do país, Aung San Suu Kyi, para que liberte imediata e incondicionalmente Paing Phyo Min.

Todas as assinaturas serão enviadas pela Amnistia Internacional.