Assinar a Petição

Sabemos exatamente quem são os principais suspeitos. Não permitiremos que fiquem impunes aos crimes que cometeram. 

Na sequência dos ataques perpetrados pelo grupo armado conhecido como Exército de Salvação Rohingya de Arracão aos postos de segurança, as forças de  Myanmar destruíram centenas de vilas ocupadas por pessoas Rohingya. Mataram mulheres, homens e crianças, violaram mulheres e raparigas, arrastaram homens e rapazes para centros de detenção e torturaram-nos, queimaram casas, lojas e mesquitas em centenas de vilas. Mais de 700 000 pessoas foram obrigadas a fugir para a fronteira com o Bangladesh. Estes são crimes contra a humanidade. 

Sistematicamente, e em vila após vila, os militares de Myanmar saíram impunes destes crimes. É isto que tem de mudar. 

Identificámos 13 pessoas que desempenharam um papel importante nestes crimes, quer sejam como perpetradores diretos ou cumprindo ordens de superiores hierárquicos. 

Ajudem-nos a garantir que os militares de Myanmar responsáveis pelos ataques a centenas de milhares de homens, mulheres e crianças são responsabilizados. 

Assine este apelo e inste o Conselho de Direitos Humanos a juntar-se ao apelo global pelo estabelecimento de um mecanismo internacional que recolha e guarde as provas cruciais dos crimes terríveis cometidos pelos militares de Myanmar, que os analise e os prepare para as ações penais. 

Garanta que, desta vez, não ficam impunes. 

Não iremos parar de apelar por justiça até aqueles que têm as mãos sujas de sangue no corpo militar de Myanmar sejam colocados atrás das grades. 

Todas as assinaturas recolhidas serão enviadas pela Amnistia Internacional em Portugal ao Secretariado Internacional da Amnistia Internacional, para entrega direta no Conselho de Direitos Humanos. 

Os militares de Myanmar devem responder perante a justiça!

Artigos Relacionados