Ativismo individual e coletivo - Amnistia Internacional Portugal

Ativismo individual

Cada assinatura conta! Foi com este principio que a Amnistia Internacional iniciou o seu trabalho de ativismo pelos direitos humanos há mais de 50 anos.

Milhões de pessoas que se juntam por uma causa e através do seu ativismo e mobilização conjunta fazem os direitos humanos cumprirem-se. Seja com a assinatura de uma petição, seja com a organização de um pequeno evento, seja com a partilha de uma notícia nas suas redes sociais, seja a escrever uma carta a alguma pessoa prisioneira de consciência.

Para ser ativista, pode juntar-se a um grupo, mas se não tiver disponibilidade para tal, pode continuar a fazer muito connosco, mesmo à distância.

Deixe-nos aqui o seu contacto, tornando-se parte da nossa rede de ações urgentes. Regularmente, enviamos uma ação urgente ou uma chamada de ação, para que de modo simples, rápido e fácil, possa contribuir com uma pequena ação, que fará uma grande diferença na vida de alguém e ajude a criar um mundo melhor e mais justo.

 

Grupos locais e temáticos

As estruturas operacionais são os grupos de ativistas, membros da Amnistia Internacional – Portugal que localmente, por temática de direitos humanos ou por sector profissional ou etário desenvolvem atividades de ativismo e campanhas pelos direitos humanos em Portugal.

As estruturas operacionais são o elemento chave da presença da Amnistia Internacional Portugal em todos o país. São o garante da nossa descentralização.

Pessoas de diferentes lugares do país, com diferentes percursos e interesses convergem para defenderem e promoverem os direitos humanos. É através destes grupos que as nossas campanhas chegam a todo o território nacional, e é através deles que é possível conseguir uma história tão repleta de sucessos!

Cada estrutura expressa o seu ativismo de forma diferente: organizam e educam as suas comunidades, fazem campanha para o apoio e libertação imediata de prisioneiros de consciência e outros indivíduos em risco, exigem o fim das práticas de tortura, a abolição da pena de morte ou ainda a prevenção da violência contra as mulheres, entre outros assuntos.

Seja nas ruas, em salas de aulas, em conferências ou através das redes sociais, a Amnistia Internacional cresce e multiplica-se graças ao conjunto de pessoas que assumem a injustiça como uma afronta pessoal. Venha fazer parte deste movimento!

 

Os nossos Grupos Locais e Temáticos, Núcleos e Grupos de Estudantes representam uma das formas mais poderosas de ação e ativismo que a Amnistia Internacional tem para atingir o seu objetivo em todos o país.

 

Grupos e Núcleos Locais

Ver

GRUPO LOCAL 3 DE OEIRAS

Email  |  Facebook

GRUPO LOCAL 6 DO PORTO

Email  |  Facebook

GRUPO LOCAL 19 DE SINTRA

Email  |  Facebook  |   Blogue

GRUPO LOCAL DE VIANA CASTELO

Email  | Facebook  | Instagram

GRUPO LOCAL DE LEIRIA

Email  |  Facebook |  Instagram

GRUPO LOCAL DE COIMBRA

Email  |  Facebook  | Instagram

GRUPO LOCAL DE CHAVES

Site | Email  |  Facebook

GRUPO LOCAL DE ESTREMOZ

Email  |  Facebook

GRUPO LOCAL DE VISEU

Email  |  Facebook

NÚCLEO DE PENICHE

E-mail  |  Facebook

NÚCLEO DE PORTALEGRE

E-mail  |  Facebook

NÚCLEO DE SÃO MIGUEL /AÇORES

E-mail

NÚCLEO DE ALMADA

E-mail  |  Facebook

 

 

Cogrupos

Ver

COGRUPO DA CHINA

Site  | Email

 

Grupos Setoriais

Ver

GRUPO DE JURISTAS

Email  |  Facebook  |  Instagram  | Twitter

ReAJ – LISBOA

Site  |  Email  |  Facebook  |  Twitter  |  Instagram

 

Grupos Universitários

Ver

GRUPO DE ESTUDANTES DA FACULDADE DE PSICOLOGIA E CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

Email | Facebook

GRUPO DE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

Email | Facebook

 

Grupos de Estudantes

Ver

GRUPO DE ESTUDANTES DO COLÉGIO DE SÃO MIGUEL – FÁTIMA

Email

GRUPO DE ESTUDANTES DA ESC. SEC. DE ERMESINDE

Email

GRUPO DE ESTUDANTES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

Email

GRUPO DE ESTUDANTES DA ESC. SEC. DE ALCOCHETE

Email

GRUPO DE ESTUDANTES DA ESC. SEC. DE ARRIFANA

Email

GRUPO DE ESTUDANTES DA ESC. SEC. RAUL PROENÇA

Email

Criação de um grupo local ou temático

Se não existir nenhum grupo perto de si, poderá ser pioneiro e ajudar a criar um. Com o devido apoio da Secção, poderá levar a cabo, em conjunto com outros activistas, o trabalho de sensibilização e de mobilização da AI na sua localidade ou comunidade. Caso queira esclarecer alguma dúvida ou criar um grupo perto de si, consulte os passos a dar abaixo.

Como criar um grupo?

O processo de criação de cada grupo de ativismo varia segundo as particularidades de cada localidade, a existência prévia ou não de uma estrutura da Amnistia, o seu tamanho, número de membros, etc.

Os primeiros passos para a criação de um grupo local ou temático passam por:

  1. O primeiro passo é consultar o Manual das Estruturas Operacionais da Amnistia Internacional para perceber mais aprofundadamente se há interesse na criação do grupo.
  2. Se sim, entre em contacto com a Amnistia Internacional Portugal através do email ativismo@amnistia.pt para passarmos ao passo seguinte que é organizar consigo uma sessão de esclarecimento da Amnistia Internacional na sua localidade, escola ou universidade para que outras pessoas participem na formação do Núcleo;
  3. Depois dessa sessão e com o envolvimento das pessoas que participarem nela, formalizará a criação do grupo preenchendo e enviando este Formulário de Candidatura para Novas Estruturas que será apreciada e aprovada pela direção da Amnistia Internacional.

Completou com sucesso o processo inicial! Agora é hora de Ativismo em grupo, sempre pelos direitos humanos!

 

Ativismo em tempo de pandemia global

A crise humana a nível global que vivemos alterou muito as nossas vidas. É necessário adaptarmo-nos à nova norma que obriga ao distanciamento social, a procedimentos de proteção sanitária pessoal e novas formas de trabalho. Esta situação obriga a desenvolver a capacidade de adaptação e resiliência. Também o ativismo de direitos humanos tem essa capacidade de adaptação e essa resiliência. O ativismo dos Grupos e dos Núcleos, do Cogrupos, dos Grupos Setoriais e Grupos de Estudantes, que normalmente depende do contacto direto e pessoal, pode caminhar para a construção de uma comunidade virtual e digital.

Propomos algumas sugestões para organizar o trabalho de direitos humanos durante esta pandemia. Além de cada pessoa ter o dever de se proteger, devemos envolver-nos no cuidado à comunidade e explorar iniciativas de ativismo criativas que não impliquem contacto físico.

Para planear e coordenar iniciativas preparámos um conjunto de sugestões.
Ativismo em tempo de pandemia