Amnistia lança campanha global de solidariedade pela tripulação do Iuventa - Amnistia Internacional Portugal

5 Agosto 2020

Três anos depois da apreensão do Iuventa e do início da investigação aos membros da tripulação, entre os quais se encontra o português Miguel Duarte, a Amnistia Internacional está a lançar uma campanha mundial de solidariedade.

“A criminalização dos resgates no mar prejudicou o salvamento fundamental de vidas no Mediterrâneo Central e faz parte de uma repressão mais ampla a atos de solidariedade registada em toda a Europa”

Maria Serrano, responsável de campanhas para assuntos de migração da Amnistia Internacional

A organização apela ao Ministério Público italiano que abandone a investigação contra o grupo de dez pessoas. Apesar de terem salvado mais de 14 mil vidas, são acusados ​​de “facilitar a entrada irregular” de migrantes em Itália, podendo incorrer numa pena de até 20 anos de prisão.

“Três anos após o início de uma investigação criminal infundada, a equipa do Iuventa permanece no limbo, com a ameaça a pairar de longas penas de prisão”, afirma Maria Serrano, responsável de campanhas para assuntos de migração da Amnistia Internacional.

“A criminalização dos resgates no mar prejudicou o salvamento fundamental de vidas no Mediterrâneo Central e faz parte de uma repressão mais ampla a atos de solidariedade registada em toda a Europa. O destino destes dez homens e mulheres envolve o destino de centenas e milhares de refugiados e migrantes”, nota a mesma responsável.

Os procuradores alegam que, durante três resgates ocorridos em 2016 e 2017, o Iuventa recebeu, de forma direta, refugiados e migrantes de traficantes, tendo entregado os barcos vazios a estes para serem reutilizados.

“As pessoas ficaram felizes e começaram a cantar, agradecendo a Deus. Foi assim que encontrámos o Iuventa”

Requerente de asilo resgatado pelo Iuventa

A equipa do Iuventa negou todas as acusações. Uma reconstrução computadorizada dos três casos, realizada pelo projeto Forensic Oceanography da Goldsmiths – Universidade de Londres, demonstrou que a tripulação só estava a salvar vidas.

“A nossa investigação forense teve como objetivo avaliar as alegações das autoridades italianas. Os resultados são claros: não há evidências de conluio entre a tripulação do Iuventa e traficantes”, garante Lorenzo Pezzani, investigador do Forensic Oceanography.

Um requerente de asilo resgatado pelo Iuventa explica que viu pessoas na Líbia que foram violadas, torturadas e mortas. “Se alguém me dissesse que eu seria enviado de volta para a Líbia, teria preferido morrer no mar”, desabafa. “As pessoas ficaram felizes e começaram a cantar, agradecendo a Deus. Foi assim que encontrámos o Iuventa”, recorda.

Um dos membros da tripulação resume a experiência: “Não podíamos esperar mais e ver as pessoas a desaparecer na vala comum que era o Mediterrâneo. Optámos por usar o privilégio de sermos testemunhas oculares, repórteres e um porto seguro para milhares de pessoas em movimento”. “Foi, ainda é e continuará a ser a tarefa de todos salvar vidas humanas sempre que possível, oferecer proteção a quem precisa, tratar todos com dignidade e lutar com eles pelo mundo em que queremos viver”, conclui.

Contexto

O caso do Iuventa não é único. Em toda a Europa, pessoas solidárias ou que ajudam refugiados e migrantes foram ameaçadas, difamadas, intimidadas, perseguidas e levadas a tribunal simplesmente por apoiarem outras. As autoridades usaram e abusaram de leis para criminalizar os defensores dos direitos humanos e punir a solidariedade.

O número de pessoas que chegaram a Itália através do Mediterrâneo Central caiu, nos últimos anos, devido aos esforços da Europa em entregar à Líbia o controlo da fronteira. As chegadas diminuíram de 181.434, em 2016, para 11.471, em 2019. Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), 9.725 pessoas chegaram a Itália, entre janeiro e julho de 2020.

Desde 2016, mais de 50 mil pessoas, incluindo crianças, foram intercetadas no mar pela Guarda Costeira da Líbia, tendo regressado ao país, onde estão expostas a detenções arbitrárias, tortura, extorsão e violações. Menos recursos para os salvamentos levaram a um aumento da taxa de mortalidade, entre 2018 e 2019.

O caso Iuventa foi o primeiro processo judicial iniciado contra uma organização não-governamental (ONG) de resgate em Itália, após uma campanha de difamação em que estas foram estigmatizadas.

Agir Agora

Pelo fim das acusações contra os 10 do Iuventa

Pelo fim das acusações contra os 10 do Iuventa

Salvaram mais de 14 mil pessoas. Agora arriscam-se a 20 anos prisão.

5300 PESSOAS JÁ AGIRAM
Assinar Petição

Artigos Relacionados