23 Outubro 2019

A secretária de Estado para os Direitos Humanos e Cidadania de Angola, Ana Januário Celeste, recebeu, esta segunda-feira, em Luanda, a Amnistia Internacional. O encontro, acompanhado pelo diretor-executivo da Amnistia Internacional Portugal, Pedro A. Neto, serviu para a apresentação do relatório “O fim do paraíso do gado: Como o desvio de terras para explorações pecuárias minou a segurança alimentar nos Gambos”. O documento, divulgado na semana passada, mostra o impacto do desvio de terras para explorações pecuárias comerciais nas comunidades da região.

Leia aqui o relato da reunião na íntegra

“Percebemos uma secretária de Estado atenta, que discutiu os seus pontos de vista e refletiu na sua intervenção as tensões históricas com organizações como a Amnistia Internacional. É sinal positivo que na investigação que fizemos sobre a vida no Vale dos Gambos, de todos os ministérios a quem enviámos questões, foi a secretaria de Estado dos direitos humanos e cidadania que respondeu”, nota Pedro A. Neto.

O relatório, que teve uma apresentação pública na Mediateca de Luanda, expõe a crise alimentar na chamada “região leiteira” de Angola, onde a criação de gado e a produção de leite têm sido fulcrais para manter o modo de vida das comunidades locais, como os Vanyanekes e Ovahereros.

De Luanda a Lubango

Depois da reunião com Ana Januário Celeste e da apresentação do relatório sobre a situação no município dos Gambos, a Amnistia Internacional tem na agenda encontros com organizações da sociedade civil e grupos de jovens, em Luanda. A visita prossegue na província de Lubango, onde serão mantidos contactos com entidades locais e comunidades afetadas pelo desvio de terras para explorações pecuárias comerciais.

Todos os detalhes desta viagem podem ser acompanhados através do nosso diário. Subscreva e embarque connosco nesta missão, que se prolonga até ao final do mês!

Agir Agora

Milhares de pessoas em risco de vida no sul de Angola

Milhares de pessoas em risco de vida no sul de Angola

Milhares têm sido afastados de terras que ocupavam para dar lugar a grandes explorações pecuárias.

343 PESSOAS JÁ AGIRAM
Assinar Petição

Artigos Relacionados