ASSINATURAS QUE MUDAM VIDAS

Todos os anos enviamos centenas de milhares de cartas e assinaturas em defesa de pessoas em risco. E, todos os anos, uma mudança positiva e um impacto real acontece devido a essas ações.

A Maratona de Cartas é o exemplo de que juntos e juntas conseguimos fazer a mudança acontecer. Juntos e juntas conseguimos vencer.

 

O que é a Maratona de Cartas?

É o maior evento de ativismo da Amnistia Internacional.

Com a Maratona sensibilizamos para um conjunto de casos selecionados, o que poderá resultar numa melhoria das condições de vida para os defensores de direitos humanos.

Em 2018/19 conseguimos enviar 348 824 assinaturas de Portugal! Todas estas assinaturas foram enviadas, tendo-se  contabilizado quase 6 milhões de apelos, oriundos de cerca de 70 países diferentes.

“Aqui estou perante vocês LIVRE das minhas correntes, emocionado com a vossa perseverança e solidariedade, e acima de tudo, fascinado com o vosso amor e generosidade. Muito obrigado!”

Eskinder Nega, jornalista e prisioneiro de consciência etíope

Porquê participar na Maratona de Cartas?

Um pouco por todo o mundo, a liberdade para nos manifestarmos contra a injustiça, a liberdade para vivemos em terras que nos pertencem há gerações, a liberdade para defendermos o ambiente ou para nos manifestarmos contra a discriminação encontra-se ameaçada. As nossas cartas, as nossas palavras e ações irão fazer pressão para que que as autoridades atuem imediatamente e para que todos os que abusam de direitos humanos sejam apresentados à justiça.

Como participar?

Fique atento/a! Todos os anos, perto do mês de outubro começamos a divulgar informações sobre a Maratona. Nesse momento, terá apenas de nos fazer chegar o seu interesse em participar.

Quem pode participar?

Qualquer pessoa pode participar. Disponibilizamos toda a informação sobre os casos para que todas as assinaturas sejam feitas com total conhecimento do caso em questão. Todos os anos contamos com a participação de milhares de pessoas que, em Portugal e no mundo, atuam. Desde escolas a empresas, desde universidades a jantares de família, desde cafés, museus ou à espera dos transportes, qualquer lugar é perfeito para que se assine uma carta ou petição.

A quem escrevemos?

Todos os anos, pedimos que escrevam às autoridades dos países avisados para que a mudança ocorra. Além disso, apelamos também à escrita de mensagens de solidariedade para que todos aqueles que apoiamos saibam que não estão sozinhos.

E depois?

Todas as cartas e assinaturas são contabilizadas e organizadas pela Amnistia Internacional, quer tenha participado de forma online ou de forma offline (em papel). No final da campanha, todas as cartas serão enviadas pela Amnistia, para os respetivos alvos e sem quaisquer custos para quem participa.

Em alguns casos, esses envios das cartas são acompanhados por uma reunião na Embaixada do país visado.

Funciona?

Sim! Todos os anos registamos mudanças concretas como consequência das cartas e ações: as pessoas injustamente presas são libertadas, os torturadores são levados à justiça,  as pessoas detidas são tratadas de forma mais humana, entre outras possibilidades. Pode consultar algumas das nossas vitórias aqui.

 

 

“Quero agradecer-vos, humildemente e de coração cheio, pelo vosso apoio inabalável. Mais de um milhão de vocês disse a uma única voz que a verdade importa. A minha gratidão está para lá de qualquer expressão possível. (…)  Amigos, não se enganem: há injustiça neste mundo, mas não irá durar para sempre. Faremos questão disso.”

Edward Snowden, whistleblower que denunciou as agências de serviços secretos norte-americanas e britânicas por monitorizar os telefonemas e as atividades na internet de milhões de pessoas do mundo inteiro.

© Postais de solidariedade do Agrupamento de Escolas de João Araújo Correia

 

“Quero agradecer-vos, humildemente e de coração cheio, pelo vosso apoio inabalável. Mais de um milhão de vocês disse a uma única voz que a verdade importa. A minha gratidão está para lá de qualquer expressão possível. (…)  Amigos, não se enganem: há injustiça neste mundo, mas não irá durar para sempre. Faremos questão disso.”

Edward Snowden, whistleblower que denunciou as agências de serviços secretos norte-americanas e britânicas por monitorizar os telefonemas e as atividades na internet de milhões de pessoas do mundo inteiro.

© Postais de solidariedade do Agrupamento de Escolas de João Araújo Correia

Sucessos

Todos os anos registamos desenvolvimentos positivos nos casos que selecionamos, sejam através da libertação de alguém que foi injustamente detido, com a implementação de leis ou com o fim das perseguições a alguém que simplesmente exigia justiça.

Pode conhecer mais detalhes das histórias de sucesso da edição de 2018/19 ou consultar, clicando em cada uma das imagens, informações gerais sobre alguns dos casos que já trabalhámos ao longo da Maratona de Cartas.

Recursos