Maratona de cartas: o maior evento de direitos humanos do mundo

ASSINATURAS QUE MUDAM VIDAS

Todos os anos enviamos centenas de milhares de cartas e assinaturas em defesa de pessoas em risco. E, todos os anos, uma mudança positiva e um impacto real acontece devido a essas ações.

A Maratona de Cartas é o exemplo de que juntos e juntas conseguimos fazer a mudança.
Juntos e juntas conseguimos vencer.

A Maratona de Cartas em 2020

Não é segredo que 2020 tem sido desafiante. Ao longo do ano percebemos como é importante mantermo-nos unidos e a importância que as nossas ações têm nas vidas de outras pessoas. Agora, chegou o momento de utilizar esse poder para a Maratona de Cartas. JUNTE-SE A NÓS!

 

Assinar


Conheça os seis casos que estamos a defender este ano, assine e partilhe nas suas redes! Quantas mais pessoas assinarem, mais possibilidades temos de conseguir um impacto real e um mundo mais justo.

 

Organizar um evento / Solicitar material

Pode solicitar materiais para organizar um evento, online ou presencial, para promover os casos da Maratona de Cartas e recolher assinaturas. Para isso, basta preencher o formulário de pedido de material e enviaremos os materiais por correio, com a maior brevidade possível.
QUERO SOLICITAR MATERIAL DE DIVULGAÇÃO

Todos os anos chegam-nos novas sugestões de utilização destes materiais: sessões de educação para os direitos humanos, sessões de debate online ou presencial, teambuildings, reuniões pelo zoom, encenações, jantares de natal, jantares de aniversário, desafios entre colegas de equipa, entre outros. Se tiver alguma outra ideia que não esteja aqui, não hesite! Todas as assinaturas contam.

 

 

Mensagens de solidariedade

Gostaria de enviar uma mensagem de solidariedade para um dos nossos casos da Maratona de Cartas? Basta escrever a sua mensagem ou carregar alguma imagem (como um postal ou um desenho) e garantimos que, no final deste projeto, todos os contributos serão enviados para os respetivos destinatários.

QUERO ENVIAR UMA MENSAGEM DE SOLIDARIEDADE

 

Sucessos

Todos os anos registamos desenvolvimentos positivos nos casos que selecionamos, seja através da libertação de alguém que foi injustamente detido, com a implementação de leis ou com o fim das perseguições a alguém que simplesmente exigia justiça.

Pode conhecer as vitórias que alcançámos em conjunto nesta página ou consultando o relatório da Maratona de Cartas 2019/20.

 

 

 

O que é a Maratona de Cartas?

Ler Mais

É o maior evento de ativismo do mundo, organizado pela Amnistia Internacional.

Com a Maratona de Cartas, o mundo inteiro atua em defesa de um conjunto de casos selecionados e esse movimento global permite, muitas vezes, mudarmos as vidas dessas pessoas. Lutamos juntos. Vencemos juntos.
Em 2019/20, naquela que foi a primeira edição da Maratona de Cartas inteiramente digital organizada pela Amnistia em Portugal, entregámos às autoridades 133 944 assinaturas vindas de Portugal! As assinaturas foram recolhidas de forma online e posteriormente impressas e entregues às respetivas autoridades. Com esta nova metodologia, foi possível evitar a impressão de quase 100 000 folhas de papel.
A nível mundial, a Maratona de Cartas atingiu na edição passada um novo valor recorde, com mais de 6,5 milhões de assinaturas.
É o maior evento de ativismo da Amnistia Internacional.

“Aqui estou perante vocês LIVRE das minhas correntes, emocionado com a vossa perseverança e solidariedade, e acima de tudo, fascinado com o vosso amor e generosidade. Muito obrigado!”

Eskinder Nega, jornalista e prisioneiro de consciência etíope

Porquê participar na Maratona de Cartas?

Um pouco por todo o mundo, a liberdade para nos manifestarmos contra a injustiça, a liberdade para vivemos em terras que nos pertencem há gerações, a liberdade para defendermos o ambiente ou para nos manifestarmos contra a discriminação encontra-se ameaçada. As nossas palavras e ações irão fazer pressão para que as autoridades atuem imediatamente e para que todos os que abusam de direitos humanos sejam apresentados à justiça.

Como participar?

Assine as petições que encontra nesta página e ajude a divulgar. Pode ainda escrever cartas de solidariedade, organizar uma recolha de assinaturas e partilhar nas redes sociais.

Quem pode participar?

Qualquer pessoa pode participar, em diferentes modalidades. Todos os anos contamos com a participação de milhares de pessoas que, em Portugal e no mundo, atuam assinando uma petição, escrevendo uma carta de solidariedade e divulgando informação sobre os casos.

Para quem vão as assinaturas e as cartas de solidariedade?

Todos os casos têm um objetivo muito concreto, pelo que as assinaturas nas petições são enviadas às autoridades dos países visados para que a mudança ocorra. Já as mensagens de solidariedade são enviadas diretamente para os casos que acompanhamos, para que saibam que não estão sozinhos.

E depois?

Todas as assinaturas são contabilizadas e organizadas pela Amnistia Internacional. No final do projeto, todas são entregues aos respetivos destinatários, seja através de ações concertadas a nível internacional ou através de reuniões nas Embaixadas de cada um dos países visados.

Funciona?

Sim! Todos os anos registamos mudanças concretas como consequência destas ações: as pessoas injustamente presas são libertadas, os torturadores são levados à justiça,  as pessoas detidas são tratadas de forma mais humana, entre outras possibilidades. Pode consultar algumas das nossas vitórias aqui.

 

 

 

 

“Quero agradecer-vos, humildemente e de coração cheio, pelo vosso apoio inabalável. Mais de um milhão de vocês disse a uma única voz que a verdade importa. A minha gratidão está para lá de qualquer expressão possível. (…)  Amigos, não se enganem: há injustiça neste mundo, mas não irá durar para sempre. Faremos questão disso.”

Edward Snowden, whistleblower que denunciou as agências de serviços secretos norte-americanas e britânicas por monitorizar os telefonemas e as atividades na internet de milhões de pessoas do mundo inteiro.

 

“Quero agradecer-vos, humildemente e de coração cheio, pelo vosso apoio inabalável. Mais de um milhão de vocês disse a uma única voz que a verdade importa. A minha gratidão está para lá de qualquer expressão possível. (…)  Amigos, não se enganem: há injustiça neste mundo, mas não irá durar para sempre. Faremos questão disso.”

Edward Snowden, whistleblower que denunciou as agências de serviços secretos norte-americanas e britânicas por monitorizar os telefonemas e as atividades na internet de milhões de pessoas do mundo inteiro.

POR QUEM NOS ESTAMOS A UNIR?

Por seis casos inspiradores, de pessoas que perante as injustiças que se cruzaram no seu caminho, tiveram a coragem de erguer a sua voz. Por serem corajosos, foram presos, estão a ser injustamente acusados ou correm risco de vida. Agora é a nossa vez que não ficarmos em silêncio.

 


Germain Rukuki
Burundi
Germain é um defensor de direitos humanos no Burundi. Contudo, devido ao seu trabalho pacífico, foi injustamente acusado e condenado a 32 anos de prisão. Está neste momento numa prisão sobrelotada e nunca conheceu o seu filho mais novo.
 Mais informação


Jani Silva
Colômbia
Jani nasceu na Amazónia colombiana e dedicou toda a sua vida à defesa das árvores, das terras e de todo um ecossistema fundamental para as vidas de todos nós. Mas o seu ativismo pacífico e coragem colocaram-na em disputa contra grandes empresas que pretendem lucrar com a exploração de recursos naturais. Por defender este território, Jani encontra-se em perigo de vida.
 Mais informação


Grupo de Solidariedade LGBTI+
Turquia
Desde o primeiro dia que os estudantes de biologia Melike Balkan e Özgür Gür se dedicam a defender os direitos LGBTI+ na sua universidade, na Turquia. Mas tudo mudou quando as autoridades reprimiram violentamente um dos seus eventos pacíficos. Hoje, vários estudantes arriscam-se a ser presos. Melike e Özgür são dois deles.
 Mais informação


Nassima al-Sada 
Arábia Saudita
Nassima é uma das corajosas mulheres que fez campanha pela liberdade das mulheres na Arábia Saudita. Agora, perdeu a sua. Detida desde 2018, Nassima foi vítima de maus tratos e colocada numa pequena cela, em regime de solitária, durante um ano. Tudo pelo seu trabalho pacífico em direitos humanos.
 Mais informação


El Hiblu 3
Malta
Quando um navio que resgatou migrantes e refugiados no Mediterrâneo ameaçou que os devolveria à Líbia, três jovens fizeram a diferença: agindo como intérpretes, ajudaram a pôr fim ao pânico que se instalou a bordo. Mas agora, simplesmente por terem agido para proteger as suas vidas e as de todos os envolvidos, arriscam-se a serem presos.
 Mais informação


Paing Phyo Min
Myanmar
Paing Phyo Min é um jovem que faz parte de um grupo de poesia satírica no Myanmar. Por ter criticado os militares do país durante uma das suas atuações, foi condenado a seis anos de prisão. Neste momento, está numa prisão sobrelotada e com elevados riscos de contágio de COVID-19.
 Mais informação

Maratona de Cartas – Um breve guia

 

Se quiser/em saber mais sobre este evento de ativismo, preparámos um pequeno curso….

O curso é feito online e pode ser feito ao seu ritmo, quando e onde puder.

 

MARATONA DE CARTAS – CURSO ONLINE

 

Recursos