10 January 2013

Foi libertado o ativista Kartam Joga, que esteve mais de dois anos preso por defender os direitos dos povos indígenas (chamados Adivasi) da região de Chhattisgarth, no centro da Índia. A libertação aconteceu terça-feira, 8 de janeiro. Voltámos assim a confirmar que a nossa assinatura tem mais força do que imaginamos e pode realmente mudar vidas.

A Amnistia Internacional afirmou desde logo que Kartam Joga era um prisioneiro de consciência, detido apenas por expressar pacificamente as suas ideias. Os factos provaram isso mesmo. A detenção ocorreu a 14 de setembro de 2010, poucos dias após o Supremo Tribunal de Chhattisgarth ter criticado o governo regional por não ser claro a responder a questões relativas a violações dos direitos dos Adivasi. O questionário surgiu no âmbito de uma petição entregue neste Tribunal por Kartam Joga e dois outros ativistas, todos do Partido Comunista da Índia, onde era pedida responsabilização e o fim da impunidade perante as constantes violações dos direitos dos povos indígenas.

Mais de 500 assassinatos ilegais e extrajudiciais, violações e outros abusos sexuais, aldeias e casas incendiadas e o consequente desalojamento de povos indígenas de 644 aldeias foram documentados por Kartam Joga. Desde 2005 que as autoridades e a milícia civil Salwa Judum (que se acredita ser apoiada pelo governo) combatem os Maoistas (grupos comunistas) armados. Os povos indígenas têm sido conotados com estes últimos, razão pela qual têm sido um alvo das autoridades. Â

Kartam Joga pedia o fim da impunidade e por isso foi preso e acusado, entre outros, do assassinato de várias pessoas, incluindo de elementos das forças policiais. A sua pena poderia ter ido de 10 anos de prisão à pena de morte. Porém, o seu caso foi denunciado ao mundo e de todos os países, incluindo Portugal, seguiram assinaturas para a petição em seu nome lançada pela Amnistia Internacional. Kartam Joga veio agora dizer que as cartas o ajudaram a manter a esperança.

E o dia da libertação chegou. É o primeiro sucesso neste ano de 2013, que torna a provar que uma assinatura pode fazer a diferença. Kartam Joga ainda fez 52 anos na prisão (a 1 de janeiro), mas irá gozá-los em liberdade, graças a todos os que não ficaram indiferentes ao seu caso e usaram o poder da Assinatura!

A todos, OBRIGADO.

Artigos Relacionados