Portugal: importante festival de artes juntou-se à Amnistia Internacional para exigir justiça para Marielle Franco - Amnistia Internacional Portugal

19 Setembro 2018

Seis meses depois do brutal assassinato da defensora de direitos humanos brasileira, Marielle Franco, a Amnistia Internacional une forças com um festival de street art para exigir justiça e denunciar a falta de progressos no seu caso.

Integrado na Brave Walls, a iniciativa da Amnistia Internacional que usa a street art para consciencializar para os defensores de direitos humanos, o artista português Vhils, fundador do Festival Iminente, vai criar um mural dedicado a Marielle Franco no festival que decorre em Lisboa, de 21 a 23 de setembro.

Com esta obra de arte em Portugal, queremos tornar o caso de Marielle Franco o mais visível possível. (…) É a arte, de forma pacífica e audível, a exigir justiça e direitos humanos”

Pedro Neto, diretor executivo da Amnistia Internacional Portugal

“Através da Brave Walls, convidamos artistas a ampliar a consciencialização para os defensores de direitos humanos ao criarem incríveis peças por todo o mundo. Com esta obra de arte em Portugal, queremos tornar o caso de Marielle Franco o mais visível possível – não só para celebrar a sua vida inspiradora e continuar a lutar pelas causas que lhe eram queridas, mas também garantir que os seus assassinos são levados à justiça. É a arte, de forma pacífica e audível, a exigir justiça e direitos humanos”, disse Pedro Neto, diretor-executivo da Amnistia Internacional Portugal.

Marielle Franco, uma ativista eleita vereadora municipal que trabalhou de forma incansável para promover os direitos das mulheres negras, pessoas LGBTI (Lésbicas, Gay, Bissexuais, Transgénero e Intersexuais) e dos jovens nas favelas do Rio de Janeiro, foi assassinada a 14 de março de 2018 quando seguia no carro juntamente com o seu motorista, Anderson Gomes, deixando um vazio na sua comunidade. Esperamos que a incrível representação de Marielle Franco feita pelo Vhils contribua para lembrar os ativistas em todo o mundo que agora é a vez deles se mobiliarem por ela.

“Sinto-me honrado com o convite da Amnistia Internacional para participar na sua campanha para consciencializar para a vida e para o trabalho de Marielle Franco. Poder usar a minha arte para lançar uma luz sobre o seu caso é um privilégio e convido todas as pessoas a agirem apoiando a Amnistia Internacional”, disse Alexandre Farto, AKA Vhils.

Poder usar a minha arte para lançar uma luz sobre o seu caso é um privilégio e convido todas as pessoas a agirem apoiando a Amnistia Internacional”

Alexandre Farto, AKA Vhils

Marielle Franco cresceu numa favela no Rio de Janeiro e dedicou a sua vida à luta pelos direitos dos residentes mais pobres e marginalizados da cidade. Em 2016, foi eleita para a Câmara Municipal com a quinta maior votação do município. Enquanto vereadora lutou pelas mulheres, pessoas LGBTI e pelos jovens negros das favelas. Seis meses após o seu assassinato, houve poucos progressos na investigação.

Mônica Tereza Azeredo Benício, a companheira de Marielle, tem feito campanha para que haja justiça para o caso da morte de Marielle e estará presente no Festival Iminente.

“A expressão da arte, em todas as suas formas, é capaz de sensibilizar e mobilizar para a luta pela justiça. Em tempos sombrios e de retrocessos em todo o mundo, é fundamental que ocupemos todos os espaços“, afirmou Mônica Tereza Azeredo Benício.

Informação sobre a iniciativa da Amnistia Internacional Brave Walls https://www.amnesty.org/en/latest/campaigns/2018/04/brave-walls/

A Amnistia Internacional tem uma petição para pressionar o Presidente do Brasil a envidar todos os esforços para que os responsáveis pelo assassinato de Marielle sejam levados à justiça. Pode ser assinada neste endereço: https://www.amnistia.pt/marielle-mural-by-vhils-pt

Saber mais sobre esta obra

 

Artigos Relacionados