14 Dezembro 2023

A Amnistia Internacional afirmou esta terça-feira que a COP28, realizada no Dubai, chegou pela primeira vez a um acordo sobre a necessidade de abandonar os combustíveis fósseis, no final de uma cimeira sobre o clima marcada por restrições à sociedade civil e pelo desprezo flagrante dos Emirados Árabes Unidos pelos direitos humanos.

O acordo reconhece o papel dos combustíveis fósseis como motores da crise climática e os danos que estão a infligir ao clima e ao ambiente, e dá um forte sinal de que a sua eliminação progressiva é inevitável e está em curso.

“O resultado deixa lacunas que permitem que os produtores de combustíveis fósseis e os Estados continuem a fazer negócios como de costume, ficando assim aquém do que é necessário para proteger os direitos de milhares de milhões de pessoas que enfrentam danos climáticos”

Marta Schaaf

“A COP28 assinalou, pela primeira vez, a necessidade de abandonar os combustíveis fósseis, o que constitui um testemunho da campanha popular que tem vindo a ser desenvolvida há décadas. No entanto, o resultado deixa lacunas que permitem que os produtores de combustíveis fósseis e os Estados continuem a fazer negócios como de costume, ficando assim aquém do que é necessário para proteger os direitos de milhares de milhões de pessoas que enfrentam danos climáticos”, disse a Diretora do Programa de Justiça Climática, Económica e Social e Responsabilidade Corporativa da Amnistia Internacional, Marta Schaaf.

“A falta de compromissos adequados de financiamento por parte dos países desenvolvidos para ajudar outros Estados a adaptarem-se aos impactos nocivos das alterações climáticas é totalmente inadequada e deixa os povos indígenas, as comunidades da linha da frente e outros grupos marginalizados em perigo”.

A Amnistia Internacional considera que a COP28 foi manchada pelas restrições ao espaço cívico, bem como pelo número recorde de lobistas dos combustíveis fósseis presentes na cimeira. A organização apela a que os acordos de acolhimento da COP sejam reforçados e a que os acordos com os países anfitriões sejam publicados de forma a garantir o respeito e a proteção dos direitos humanos, e a que a Convenção-Quadro das Nações Unidas para as Alterações Climáticas (CQNUAC) desenvolva uma política clara em matéria de conflitos de interesses e um quadro de responsabilização sólido.

A COP28 foi ainda prejudicada pela duplicidade de critérios e pelo desprezo do governo dos EAU pelos direitos humanos, tanto dentro, como fora da conferência mundial. Em vez de libertar dezenas de críticos que deteve e mostrar que estava disposto a acolher uma cimeira inclusiva, deu início a um novo julgamento em massa de dissidentes com base em acusações forjadas de terrorismo.

 A Amnistia Internacional continuará a fazer campanha pela libertação de Ahmed Mansoor, o último cidadão dos Emirados a trabalhar abertamente para a promoção e proteção dos direitos humanos no seu país, que se encontra detido desde 2017. Exige também que a vigilância digital ilegal seja interrompida e que as relações entre pessoas do mesmo sexo sejam descriminalizadas.

As diretrizes para protestos e ações foram aplicadas de forma invulgarmente rigorosa na COP28 pela UNFCCC, afetando as tentativas de apelar a um cessar-fogo em Gaza e de levantar preocupações sobre o triste historial dos direitos humanos dos EAU, incluindo a proibição das liberdades de expressão e de reunião pacífica, bem como a negação de uma série de outros direitos, incluindo os dos trabalhadores migrantes.

As cimeiras só produzirão resultados significativos se todos forem livres de criticar, reunir e manifestar pacificamente, e se puderem informar de forma significativa a conceção e o resultado das políticas climáticas globais. Para além do processo oneroso de obtenção de aprovação para ações na Zona Azul da COP28 administrada pela UNFCCC, sem a qual os manifestantes se arriscavam a ser expulsos da conferência, houve uma vigilância vídeo generalizada em todas as áreas. Qualquer pessoa envolvida numa ação era gravada, gerando uma atmosfera de intimidação. Ninguém se atreveu a realizar protestos fora do espaço administrado pela UNFCCC, devido ao receio de ser preso ao abrigo das leis draconianas dos EAU que criminalizam a dissidência.

 

Contexto

O valor prometido para o Fundo de Perdas e Danos, a ser administrado inicialmente pelo Banco Mundial, sujeito ao seu acordo sobre várias condições de funcionamento, foi de cerca de 700 milhões de dólares, o que mal chega para o colocar em funcionamento. O financiamento disponibilizado às nações em desenvolvimento para ajudar na adaptação às alterações climáticas foi apenas cerca de metade do objetivo de 300 milhões de dólares, apesar de serem necessárias centenas de milhares de milhões de dólares.

Esta COP decidiu que o Azerbaijão será o anfitrião da cimeira do próximo ano. A sua indústria de combustíveis fósseis também ajuda a financiar um sistema altamente autoritário, e o Estado envolve-se em relações públicas luxuosas para tentar encobrir o seu terrível historial de repressão, detenção arbitrária de críticos, tortura de detidos e esmagamento da sociedade civil. Os direitos à liberdade de expressão e de reunião são altamente limitados e as pessoas LGBTI são objeto de uma discriminação generalizada.

Agir Agora

Libertação Imediata e Incondicional de Ahmed Mansoor

Libertação Imediata e Incondicional de Ahmed Mansoor
14511 PESSOAS JÁ AGIRAM
Assinar Petição

Artigos Relacionados